Com empresas cada vez mais terceirizando processos de transporte, armazenagem e distribuição, a procura pelos chamados condomínios logísticos cresceu significativamente nos últimos cinco anos. Neste mês, será inaugurada em Curitiba a primeira fase do maior empreendimento do tipo na região Sul. Com 144 mil m2 de área de armazenamento, construída em um terreno com 370 mil m2, o Ecopark Curitiba recebeu investimento de R$ 230 milhões.

O projeto foi desenvolvido pela incorporadora Essex e a gestora de private equity HSI (Hemisfério Sul Investimentos). Outro terreno de 140 mil m2 foi comprado pelos mesmos investidores na região de Araucária (PR), onde será construído outro condomínio, ainda sem previsão de entrega.

“O uso de condomínios logísticos é uma tendência forte dos últimos anos, principalmente por reduzir custos. Um condomínio sai mais barato do que ter um galpão isolado para armazenagem principalmente por reduzir custos com segurança, energia e pessoal”, explica Jaime Emílio Galperin, diretor da Top Imóveis, responsável pela comercialização do projeto.

A primeira fase terá 54 mil m2 que serão ocupados por uma só empresa. Galperin não revelou o nome porque as negociações ainda estão sendo finalizadas.

A vantagem do empreendimento é a localização: no chamado contorno Sul, que dá acesso às principais rodovias que ligam a capital paranaense ao Sudeste, Centro-Oeste e outros Estados do Sul.

O Ecopark segue a tendência dos prédios verdes e está em processo de certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), que atesta a responsabilidade ambiental da construção. As medidas ecológicas adotadas – como aproveitamento da luminosidade natural com telhas prismáticas que absorvem a claridade e sistemas de conforto climático que renovam o ar seis vezes por hora – prometem reduzir despesas com água e energia. A modernidade, porém, terá custo: o aluguel no Ecopark é de R$ 20 o metro quadrado, 11% mais caro do que a média no mercado local.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Logística (Abralog), Pedro Moreira, a construção de condomínios logísticos deverá crescer mais nos próximos anos, já que existe um déficit em espaço de armazenagem em todo o país. Segundo Moreira, em um raio de 100 km na região de São Paulo existem hoje 10 milhões de m2 de armazenagem, mas seriam necessários mais 1,5 milhão de m2 para atender a demanda atual.

“As empresas estão cada vez mais focando em seus projetos produtivos e terceirizando a logística. Os condomínios dão mais flexibilidade para a indústria diminuir ou aumentar sua produção sem ter de construir estrutura de armazenagem e distribuição”, diz.

Em todo o Brasil, o déficit chega a 25%. Novos empreendimentos estão sendo construídos próximo a Porto Alegre (RS), Fortaleza (CE) e Recife (PE). O maior condomínio do país fica em São Paulo e tem 250 mil m2 de espaço de armazenagem.

Por Lorenna Rodrigues | Para o Valor, de Curitiba