A Keiper do Brasil, empresa que desenvolve e produz componentes metálicos de bancos automotivos, inaugura hoje unidade fabril em Mauá, na qual investiu R$ 11 milhões.

A companhia, que é subsidiária do grupo alemão Keiper GmbH & Co. KG e é uma das líderes em seu segmento no País, transferiu parte de suas linhas de produção que ficavam na fábrica do bairro Ipiranga, em São Paulo, para a cidade do Grande ABC.

Segundo o presidente da empresa, Oliver Krockenberger, a localização estratégica da nova planta – ao lado de saída do Rodoanel, na Avenida Papa João XXIII -, permite o acesso rápido tanto aos clientes da região quanto de fora e também a outras filiais (na Capital paulista e em São José dos Pinhais, no Paraná).

Além da vantagem logística, a nova planta fabril permitirá acréscimo de 30% no volume de produção. E haverá ganhos de competitividade, devido a layout cuidadosamente projetado para oferecer melhoria no fluxo de materiais.

Uma das características das instalações, que têm 16 mil m² de área construída, é uma esteira de 300 metros, que circula por toda a área de produção, ligando os setores. E os itens utilizados nas linhas de montagem são armazenados próximos aos pontos de utilização, para acelerar o movimento de peças na unidade. “Isso evita o fluxo desnecessário de pessoas”, acrescenta o executivo.

A fábrica conta com 600 empregos, quase todos transferidas do Ipiranga. Krockenberger destaca que muitos funcionários que atuavam no bairro paulistano já eram moradores de Mauá, o que também foi levado em conta para a escolha da cidade para a instalação da unidade.

Mercado

A Keiper atende quase todas as montadoras instaladas no Brasil (entre os clientes, estão Volkswagen, General Motors, Ford, Fiat, Toyota, Mitsubishi e Honda). Atualmente, de cada dez carros fabricados no País, sete contam com equipamentos da empresa, que detém 50% de participação em reclináveis (estrutura para reclinar os bancos).

Com faturamento previsto de mais de R$ 400 milhões em 2010, a companhia espera acompanhar o crescimento do mercado automobilístico – a Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) prevê que o segmento terá expansão de 8%, para 3,4 milhões de veículos vendidos neste ano.

Planos

A empresa planeja ingressar, dentro de dois anos, no mercado de caminhões no País. “Vamos começar com pequeno conteúdo nacional; já temos projeto fixo e outros em negociação”, adiantou Krockenberger.

Leone Farias
Do Diário do Grande ABC